quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Chapeuzinho Vermelho

O mundo me vê como uma garota normal, com uma vida normal. Eu estou lhe dizendo, eu estou longe de ser normal. Quando eu era pequena, eu amava fazer caminhadas e explorar a floresta próxima a minha casa. Mas o que aconteceu naquele dia fatal há trinta anos, mudou tudo. Quando entrei na floresta, eu não tinha medo de nada. Quando eu saí, eu já tinha medo de tudo.
Eu matei uma pessoa pela primeira vez quando eu tinha 14 anos. Desde então, eu não consigo mais parar. Eu me lembro de todos eles, os 24 homens. Eu só mato aqueles que o merecem, claro. Minha primeira vítima foi o meu tio. Tio Colin, com sua boca grande, era um homem bruto e com seus olhos picantes. Quando ele olhou para mim ele achava que eu não notei. Eu sempre tinha que sentar no colo dele, ele me obrigava. Quando eu ia para o porão de minha casa, ele estava bem atrás de mim.
Eu coloquei um travesseiro sobre sua cabeça, ele tentou lutar pela sua vida. Mas ele perdeu. O médico disse que seu coração estava cansado demais.
Por todo esse tempo, eu consegui esconder para o resto do mundo quem eu realmente sou. Apenas uma viúva jovem, trabalhando em dois empregos decentes para manter minha cabeça acima da água, depois que meu marido morreu. Acho que as pessoas sentem pena de mim, depois que meu marido morreu em um terrível acidente de carro há alguns meses atrás. Pobre, pobre Will. Os freios do carro não estavam funcionando. Eu disse a ele para conserta-los! Ele deveria ter ouvido.
Eu sempre fico irritada com coisas pequenas. Quer dizer, eu não sou louca nem nada, mas eu pegando o ônibus um dia desses, e um homem veio atrás de mim, tossindo e tossindo o tempo todo. Mas, é claro, como a mulher, gentil e educada que eu sou, eu deixei passar.  Eu apenas lhe dei um pequeno empurrão para baixo as escadas. Homem estúpido, ele deveria ter apertado mais sua bengala. Quando eu saí, eu não pude deixar de notar como sua cabeça estava sangrando. Tirei uma foto dele. Eu mencionei que eu trabalho como fotógrafa? Você deveria ver minhas fotos algum tempo.
Elas são realmente de tirar o fôlego, todas as 24 fotos que tirei.
Eu acho que você aprendeu o suficiente sobre mim agora.
Talvez até demais...



fonte: http://creepypasta.wikia.com/wiki/Little_Red_Riding_Hood

quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

O homem que vive acima de você

O homem que vive acima de você é uma pessoa do tipo silencioso. Como você tem sorte de viver em um apartamento debaixo alguém tão cortês! Nem mesmo parece que mora alguém lá, porque você nunca ouviu nenhum barulho vindo do quarto acima do seu. Ele é uma pessoa muito agradável, sempre deixa o volume da sua TV bem baixa para não perturbar você. Pense nisso, se você não tivesse visto e falado com ele, você acha que ninguém vivia lá em cima. 
Uma grande diferença de viver debaixo de vários adolescentes desordeiros.
Ele é bastante prestativo também. Na primeira semana, ele convida você para jantar e oferece seus serviços como encanador caso você tenha alguma torneira com vazamentos. A equipe de manutenção do apartamento onde você mora é muito incompetente. 
Ele nem sequer ficar ofendido quando você disse a ele que estava muito ocupado e não podia jantar com ele. Ele simplesmente sorriu, deu o seu número, e que poderia jantar com ele quando você quiser.
Uma noite, você decide aceitar sua oferta, vendo que não tinha muitas coisas para fazer. Você o chama, incerto se ele estava ou não em casa, devido ao silêncio daquele lugar. Ele responde e convida você a se juntar a ele no andar de cima, ele fez um delicioso frango para vocês degustarem.
Você sobe as escadas e entra no seu apartamento. É impecável. Você derramou um pouco de Coca-Cola no seu tapete. Em seus seis anos vivendo lá, esse homem nunca deixou manchas. O cheiro do jantar era delicioso. Ele já tinha um lugar guardado para você, como se ele estivesse esperando que você chegasse. Surpreendido por sua bondade, você senta na cadeira e começa a comer.
Depois de beber uma taça de bebida, você se sente um pouco sonolento. Excesso de trabalho, talvez? Ele sorri e observa seus músculos lentamente paralisarem, e você não consegue abrir sua boca. Você começa a se deslizar de sua cadeira, quase poderia sentir o chão cobrir o seu corpo. O homem pega você pelas pernas. Nenhum som pode ser escutado. Ele te leva pelo corredor calmamente. 
Você está inconsciente, ele fez isso para ter certeza de que ninguém pudesse ouvir alguma coisa, muito menos o barulho de seu corpo morto batendo no chão.



fonte: http://www.creepypasta.com/the-man-who-lives-above-you/

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

The Pet Graveyard

Você já ouviu falar de um jogo chamado Pet Graveyard ? Claro que não. Poucas pessoas tiveram a oportunidade de jogar. Ele foi lançado para um novo sistema de jogo portátil chamado "Noma Game System". Foi lançado no Japão em 1985. Ele foi originalmente traduzido para o Inglês do japonês. Então, de qualquer maneira, o "sistema de jogo Noma", não foi lançado nos os EUA até 1987, quando o jogo "Pet Graveyard" foi lançado.
Os produtos com o Sistema Noma foram proibidos no dia seguinte. Diziam que era por causa de um dos seus jogos, mas especificamente, o jogo "Pet Graveyard". Eles disseram que o dispositivo em si era magnífico, não sabiam muito sobre o motivo da proibição. Você tinha que ser um sortudo para conseguir um desses. Provavelmente, apenas 100 fitas existem, e talvez 50 ou mais cópias de "Pet Graveyard". Eu sei disso porque eu fiz minha própria pesquisa. Eu estou fascinado pelos jogos NGS (Noma Game System). Eu nunca consegui um deles. Só sei que um deles veio até mim.
Tenho procurado em vendas de garagem e em lojas de jogos. Eu estava sem sorte, não encontrei. Procurei no eBay e no Amazon, nada. Eu olhei para as casas de penhores locais, também nada. Então me lembrei. Meu amigo tinha uma caixa de jogos antigos que ele nunca chegou a jogar.
Eu fui para ir pedir o jogo a um amigo meu. Ele me disse que poderia pegar o jogo no sótão. Eu fui até lá e ele me entregou uma caixa velha com "Jogos", escrita com um marcador. Ele me entregou algumas placas do jogo.
"Leve, eu nunca vou joga-lo" Ele disse. Eu o agradeci e segui o meu caminho. Fui para casa e abri o pacote que protegia o jogo. Isso me preocupou. Eu o abri. Era uma caixa que continha um gameboy e um carregador vermelho. O estranho era que não havia nenhum aviso ou guia de instrução. Então eu liguei o jogo, surgiu as iniciais "NGS" escrito com letras grandes na tela junto com "Por favor insira um cartucho de jogo".
Eu desembrulhou o cartucho. Não tinha nada demais, apenas uma caixa preta com "Pet Graveyard" escrito com letras brancas. Eu o abri, era um pequeno cartucho, quadrado e com uma cor amarelo-esverdeada. O coloquei na ranhura na parte de trás e o jogo carregou. Uma tela apareceu. Ele tinha as palavras "Pet Graveyard" sobre. Havia apenas a opção "comece a jogar", mas que seja, eu cliquei nela.
No jogo, você era um homem, seu objetivo principal era enterrar animais mortos e cremar outros. Era um conceito um tanto perturbador, mas eu continuei jogando. A cada missão que você faz, o jogo ficava mais difícil. Depois de eu ganhar 13 missões, as coisas começaram a ficar estranhas. As pessoas estavam pagando para você enterrar coisas perturbadoras como corpos humanos, membros e bens falsificados. O personagem começa a parecer cada vez mais deprimido.
Na missão 21, você é abordado por um homem que lhe dá pílulas, ele pede para você toma-las, e em seguida, seu personagem parece feliz. Isso me fez sentir feliz também. Cresceu um enorme sorriso em meu rosto, como fez o meu personagem. Ele enterrou corpos e outras drogas ilegais e pareceu mais e mais feliz, assim como eu. Ele entrou em uma sala, pegou uma faca e ficou olhando para a tela por alguns minutos.
Seu sorriso crescia cada vez mais quando ele olhou para mim, assim como o meu. Ele pegou a faca e esfaqueou o seu próprio coração, lentamente, o sangue jorrou. Ele caiu no chão, e uma piscina escura de sangue começa a se formar em torno dele.
Suas expressões faciais se tornam mais ameaçadoras a cada segundo. Eu não pude deixar de rir de volta. Seus olhos começaram a se ficar com um tom vermelho cor-de-sangue. Em seguida, o jogo volta para a tela de título. Comecei a rir. Uau, este jogo era incrível. Por que eles iriam banir um jogo tão divertido? Isso soa engraçado agora.
Facas. 
Agora essa palavra só me faz rir. Coração, coração, coração, facas e facas. Talvez se eu colocar uma faca em meu coração, este momento possa ficar comigo para sempre.


fonte: http://creepypasta.wikia.com/wiki/Pet_Graveyard

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A Cadeira de Balanço

Em algum lugar, numa pequena cidade, um grupo de campistas fazem uma viagem para dentro da floresta KeeneyEra para ser uma noite perfeita, uma noite de histórias assustadoras."Agora as crianças", disse o conselheiro do acampamento. "Nós nos reunirmos ao redor da fogueira,está na hora de contar algumas histórias de horror.Enquanto as crianças se reuniam, a luz do fogo cintilou em seus rostos jovens. Risadinhas e sussurros iriam agitar a pequena multidão de campistas. "Existe uma lenda ... a lenda da cadeira de balanço ..." Enquanto ele contava isso, era como se o ar ficasse mais frio, e como o fogo não parece ajudar. Os galhos de árvores escuras tomavam forma de mãos ossudas, e um nevoeiro no chão parecia um cobertor macio. As crianças estavam tranquilas, e parecia que nem mesmo a escuridão as amedrontava."Toda noite nessas florestasuma cadeira de balanço aparece do nada. Ninguém sabe de quem a cadeira de balanço pertence, ou por que ela está aqui. Segundo a lenda, se alguém sentar-se na cadeira noite toda, essa pessoa irá desaparecer... Alguns dizem que eles vão para outra dimensão, outros dizem que foi sequestrado por uma criatura. Mas ninguém sabe ao certo ..."Enquanto contava a historia, uma árvore com rachaduras assusta um dos campistas."É uma história estúpida." Diz um deles.O conselheiro olha para ele e sorri."Se é tão estúpido, então tente explicar isso." Os conselheiro aponta para o topo da colina, onde havia uma velha cadeira de balanço, balançando para frente e para atrás.


fonte: http://www.wattpad.com/36454499-creepypasta-the-rocking-chair

domingo, 14 de dezembro de 2014

Perfeccionista

Ele precisava ser bonito. Precisava ser surpreendente. Ele precisava estar perfeito. Lentamente, eu me advertia, não há necessidade de pressa. Limpei o suor que havia acumulado na minha testa. Foco. Não posso estragar isso.
Eu continuei a trabalharDevo ter esculpido a noite toda. O tempo parecia estar progressivamente mais rápido a cada hora. Eu não podia parar. Não agora. Eu estava tão perto. Tão perto de beleza. Tão perto da perfeição. Eu precisava continuar, foi se tornando fisicamente e mentalmente obrigatório. Eu precisava terminar.
Dias se transformaram em semanas. Eu estava horrível. Eu não tinha feito a barba, ou mesmo tomado banho há semanas. Olheiras tinham se formado em torno dos meus olhos. Eu quase não notei, porque eu estava muito envolvido no meu projeto.
Finalmente. Consegui restaurar o restante o corpo de minha vítima com a argila, deixei escapar um suspiroDepois que secou, ​​eu a peguei, e acrescentei a minha obra-primaNinguém sentiria falta dela, ela era apenas uma sem-teto. Seu rosto ainda estava congelado no mesmo estado de choque em que estava quando eu a matei. 
Minha obra estava concluída. Estava linda. Estava surpreendenteEstava perfeita.



fonte: http://creepypasta.wikia.com/wiki/Perfectionist

sábado, 13 de dezembro de 2014

O Homem-Pássaro

Era tarde da noite e eu olhei ao redor do meu quarto. Eu estava acordado a muito tempo. No canto, eu vi uma sombra estranha. Parecia de um ser humano, mas de alguma forma, algo em seu rosto estava errado. Ele saiu do canto escuro do meu quarto. Seu rosto era uma espécie de mistura entre um pássaro e um homem, com uma boca alongada e afiada, mas ao contrário de um homem ou de um pássaro, havia apenas profundezas escuras onde os olhos deveriam estar, como se ele fosse apenas um esqueleto. Apesar da falta de olhos, ele parecia estar olhar profundamente em minha alma.
Deveria ser apenas um sonho, eu pensava. Eu olhei em volta do meu quarto. Não havia nada fora do comum. Eu virei de costas para a porta e vi refletido em um dos meus cartazes algo que fez meu coração parar. Lá, ele (ela?) Foi, olhando para mim da mesma maneira que ele tinha em meu sonho. Eu olhei de volta parar. Eu dei uma olhada lá fora e deu um suspiro de alívio quando não vi nada lá. Eu novamente virei de costas para a porta. Seu reflexo ainda estava lá, mas desta vez parecia mais perto. Convenci a mim mesmo que era apenas minha imaginação, fechei os olhos e voltei a dormir.
Quando eu acordei de manhã, eu estava exausto. Através de meus sonhos, o homem-pássaro não me deixou em paz. Levantei e fui ao banheiro. Liguei a pia e joguei um pouco de água no meu rosto, e eu olhei para o espelho... ele estava lá, atrás de mim. Me belisquei para ver se eu estava sonhando. "Ai!" Eu chorava de dor. Talvez seja apenas uma imagem do meu sonho na noite passada. 
Isso vem acontecendo por longos anos. Toda noite eu sonho com ele, e todos os dias eu o vejo se aproximando mais e mais. Mesmo chegando mais perto, seu rosto ainda estava difícil de se descrever, como se o homem-pássaro ainda estivesse longe. A última vez que olhei, ele estava bem atrás de mim. Isso aconteceu nesta manhã. Pela primeira vez eu pude sentir a sua presença.
Agora que eu estou escrevendo isso, eu posso senti-lo atrás de mim, se aproximando. Pela tela do computador, eu podia ver o seu reflexo. 
 Talvez eu devesse olhar... talvez...



fonte: http://creepypasta.wikia.com/wiki/The_Bird-Man

sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

A Oração do mestre das Marionetes

Isso aconteceu no meu último ano na Universidade Santa Mary, uma pequena escola católica do Texas. Eu cresci em San Diego, Califórnia, e me mudei para esse lugar tão estranho, eu não nunca me dei bem com ninguém, nem mesmo no meu último ano.
Eu estava estudando para ser um teólogo, e todas as minhas aulas eram bastante pequenas, tinham cerca de 40 alunos estudando comigo. Na minha classe, estudos Religiosos foram realizados em uma antiga capela espanhola. Ele era enorme, o teto tinha cerca de 80 pés, os bancos eram bastante elevados, e terminaram em frente ao pódio. Havia crucifixos e santos pendurados nos cantos dos, e seus olhos tristes olhavam para nós. A parte mais bonita da igreja eram os vitrais que trouxeram cor para o quarto e poderiam até mesmo iluminar seus rostos pálidos.
Acabei ficando a noite toda estudando, e naquela manhã de terça-feira, um dia antes de nosso exame final, eu estava vinte minutos atrasado e tive que praticamente correr para a capela.
Quando entrei através nas enormes portas de madeira, as luzes foram desligadas e a fonte de luz vinha através da vitrais e do retroprojetor. Ninguém se virou, como eu esperava, nem mesmo o professor que geralmente começou com as palestra. Eu ignorei, pensando que eu provavelmente só tive sorte.
Depois de tomar o meu lugar na fila da frente, eu comecei a escrever as notas no projetor, e terminei a prova com bastante rapidez. Eu fiquei sentado, esperando o meu professor mudar o slide ou algo assim, mas ele apenas ficou lá, olhando para a tela.
"Professor Tomas?" Eu perguntei.
Sem resposta após alguns segundos, eu tentei novamente.
"Professor Tomas?" Eu disse um pouco mais alto. "Você pode mudar o slide?"
Ainda assim, ele não me respondeu, e foi quando eu comecei a suspeitar que algo estava errado. Inclinei-me para tentar ver seu rosto, ele estava olhando contra o projetor.
Sentei na minha cadeira e decidi me levantar para sair da aula, porque obviamente, não estavam fazendo nada. Foi quando notei reflexos brilhantes saindo das costas dele. Depois de olhar para ele por um tempo, percebi que não era apenas em suas costas. Eu segui as cordas de luz até os limites máximos de altura, mas uma sombra escura no teto terminou seu caminho.
Naquele momento, eu sabia que algo não estava certo.
Eu me virei e encontrei todos os meus colegas olhando para seus trabalhos, na exata posição em que estavam, eu percebi que eles estavam com os mesmos reflexos nas suas costas fazendo o seu caminho até o teto.
Eu fui até um cara sentado perto de mim, um cara que sempre sabia as respostas certas, e lhe dei um pequeno empurrão.
"Hey," eu disse, e logo que eu o toquei, ele caiu, como se ele estivesse dormindo.
Eu olhei para o resto da classe, e senti um arrepio descer minhas costas. Peguei minha bolsa e corri de volta para a porta, freneticamente empurrando e puxando as alças para correr mais o longe quanto possível, mas percebi que elas estavam trancadas.
Então eu ouvi um sussurro atrás de mim.
"Cor lesu in semel minima dying. Amen misereri"
Eu reconheci essa frase em uma de minhas aulas bíblicas. Isso era uma oração católica em latim.
Lentamente, eu me virei e vi.
30 órbitas vazias estavam olhando para mim, sussurrando, e seus lábios se movendo por duas cordas finas.
Essa oração da morte ecoou pelas paredes.



fonte: http://www.creepypasta.com/the-puppet-masters-prayer/

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Amigas de Ana

Na obscura comunidade on-line "pró-Ana", meninas com anorexia nervosa costumavam se reunir para compartilhar suas experiências com o transtorno alimentar. Algumas optam por adotá-la. Outros dizem que as escolheu. Uma coisa comum entre a maioria dessas meninas, no entanto, é a personificação estranha de sua doença mental, um ser chamado "Ana".
"Quando você come, Ana morre de fome. Quando você morre de fome, Ana come. Ana é sua amiga, e ela só quer ajudá-la. Ela está muito doente, por isso ela precisa de um monte de comida."
Estranhamente, essas meninas muitas vezes relatam sua "amiga" constantemente as depreciava, as desencorajava de comer e de falar com os amigos, sempre garantindo-lhes que ela só querem ajudar. A maneira como eles falam de "Ana" é como se fosse uma menina real, uma amiga de que elas confiam antes de mais ninguém.
Então, muitas dessas meninas parecem seguir religiosamente as palavras de "Ana", que é como se todas elas realmente acreditassem nela, e que seus insultos são de boa fé. "Ana" come bem por causa deles, e "Ana" elogia quando seu peso diminuía mais e mais.
No início do que parece mais uma dieta radical, que leva à auto-mutilação, uma completa falta de auto-estima e devoção a "Ana". Anorexia nervosa acaba matando uma em cada dez meninas que sofrem com a doença - as que eram amigas mais fiéis de Ana.
A cura foi encontrada um mês depois, após relatos de suicídio.


fonte: http://testcreepypasta.shoutwiki.com/wiki/Ana's_Friends

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Don't Hug Me I'm Scared


Olá camaradas, tudo bem com vocês ?Hoje decidi mostrar a vocês alguns vídeos bem legais, é difícil explicar o conteúdo e não quero dar nenhum spoiler. Então se acomodem nas suas cadeiras e vão correndo pegar a pipoca.



segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Livre Arbítrio

Deus existe? Pense nisso por um tempo. Não há necessidade de chegar a uma conclusãonós não devemos focar nisso. O que estamos focando é em um termo chamado "livre arbítrio".
Agora, vamos apenas dizer que Deus é real. Como você sabe que ele não controla todos os seus movimentosVocê acha que tem o livre arbítrio certo? Cada escolha que você faz é a sua?
E se ele foi colocado ali e decidiu para você. Você foi forçado a escolher esse caminho e não sabia.Você seria um fantoche nas mãos de alguém certo?
Cada escolha que você faz foi pensado por ele antes. Nada é sua escolha. Você não escolheu aquele caminho. Você se sentiu como se fosse sua escolha, mas isso é apenas mais uma ilusão de seus olhos humanos. Tudo que você sempre fez nunca foi sua escolha.
Agora, sobre Deus. Como sabemos que ele não nos controla? Como sabemos que não somos um peão de seu xadrezNão há uma maneira certa de dizer. Será que vamos ser lançado desta maldição chamado inferno? Ou será que vai ser algo pior ver quem ou o que nos controla. Será que vamos ser capazes de escolher para fazer o que queremos em vida após a morte, ou será que nunca poderemos dizer se estamos presos neste paradoxo?
fonte: http://creepypasta.wikia.com/freewill